COBRE, O METAL DA VIDA MODERNA

Quando ouvimos ou lemos a palavra cobre, de imediato vêm à nossa mente a imagem de um metal de forte cor alaranjada, maleável, dúctil e leve. Porém, o que muitas vezes não lembramos, é o quanto ele está presente no nosso cotidiano. Olhando ao nosso redor, talvez sua presença não fique tão evidente, pois em grande parte dos casos ele está protegido por estruturas de plástico. Essas, muitas vezes, estão ocultas por camadas de outros metais. Contudo, um olhar atento às partes que ficam mais expostas nos motores automotivos ou mesmo nos de geladeiras, pode revelar a presença desse formidável metal.

De onde vem o cobre?
Todo o cobre produzido atualmente pode ter duas origens: mineração (75%) e reciclagem (25%). Do mesmo modo, todo o cobre minerado no mundo é proveniente basicamente de quatro minerais. São eles a calcopirita (CuFeS2), a calcocita (CuS2), a bornita (Cu5FeS4) e a cuprita (Cu2O). Grande parte do cobre mundial é produzido, hoje, a partir do que é chamado depósitos de cobre porfiríticos. Nestes depósitos, minerais de cobre primários, normalmente porfiríticos, disseminados na rocha foram alterados, pelo menos em parte, para calcocita e, assim, enriquecidos para formar um corpo econômico de minério. A quantidade de cobre em tais depósitos é pequena, raramente maior que 1% ou 2% e pode ser de apenas 0,40%.

A produção de cobre no mundo
Atualmente, é o terceiro metal mais produzido e utilizado no mundo, atrás somente do ferro e do alumínio. A produção mundial está estimada em cerca de 24 milhões de toneladas. Onde cerca de um terço é proveniente de reciclagem. Para saber mais sobre esse assunto, leia o nosso texto sobre Mineração Urbana. Entretanto, o restante da produção é feita pela mineração. Em matéria de produção, primeiramente vem o Chile, responsável por mais de 5,5 milhões de toneladas por ano. Só para ilustrar, isso é cerca de um terço do total mundial produzido pela explotação do minério. Depois do Chile estão Peru, Estados Unidos, China e Indonésia.

O maior consumidor é a China, que consome aproximadamente 7,9 milhões de toneladas por ano. Só para ilustrar, esse valor é cerca de um terço do total consumido no mundo. O país é seguido pela Europa e depois pelos Estados Unidos.

O Brasil é o 15º maior produtor mundial desse metal. O país possui reservas de 17,3 milhões de toneladas (2.5% das reservas mundiais). O estado do Pará ocupa lugar de destaque com 84.99% da reserva nacional, seguido por Goiás, com 7.92%. Em 2012 a produção nacional era dominada por cinco empresas: Vale (46%), Yamana (39%), Mineração Caraíba (14%), Votorantim Metais Níquel e Prometálica Mineração Centro Oeste (1%).

Como ocorre o processo de mineração?
A produção do cobre começa com a extração do mineral. Esta pode ser realizada a céu aberto (a exploração mais comum), em galerias subterrâneas ou in situ. O mineral extraído por métodos mecânicos, é triturado obtendo-se um pó que contém usualmente menos de 1% de Cu. Esse passa por processo de concentração, obtendo-se uma pasta com aproximadamente 15% de cobre que, posteriormente, é secado.

O mineral é levado a um tanque de lixiviação, esse processo é chamado de beneficiamento. Na lixiviação, filtra-se ácido sulfúrico diluído, obtendo uma solução fraca de sulfato de cobre. Desse processo se obtém o cobre cátodo, por eletrólise, procedimento denominado SX/EW (Solution Extraction/Electrowinning). Com o mineral enriquecido se prepara um misto, adicionando os fundentes necessários à base de sílica para sulfetos e à base de sulfetos para óxidos que, fundido, produz o cobre blister. Esse é refinado através de procedimentos térmicos obtendo-se anodos de cobre que, por sua vez, são refinados por eletrólise usando-os junto a lâminas mãe do metal como cátodo em meio ácido. Do lodo (subproduto da eletrólise), retira-se o ouro, a prata e a platina.

Onde esse metal é utilizado?
Esse nobre e importante metal é utilizado em uma gama inimaginável de produtos. Por exemplo, para aquecimento e refrigeração de água, produção de máquinas industriais, aparelhos eletrônicos e principalmente fios para condução de energia elétrica. Sua propriedade anti-bactericida ajuda nos hospitais, moedas e sistemas de encanamento, pois evita o acúmulo de bactérias que fazem mal à saúde e não devem estar presentes nestes locais. Outro lugar onde sua utilização é muito importante é na fabricação de veículos, pois ele está presente nos fios, conectores, freios, rolamentos, radiadores e até mesmo no próprio motor.

É esperado que o mercado desse minério continue aquecido devido principalmente à recuperação econômica global e ao processo de urbanização acelerado dos países em desenvolvimento, em especial a China. No Brasil, especial destaque para os programas sustentados pela demanda da construção civil, indústria automobilística, produtos da linha branca e setor de energia, os quais deverão se manter aquecidos nos próximos anos em decorrência de fortes investimentos previstos pelo Governo Federal.