Menu

Associados

Economia segue crescimento gradual, aponta boletim Focus

Imagem retirada de https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2019/11/11/internas_economia,805581/economia-segue-crescimento-gradual-aponta-boletim-focus.shtml Imagem retirada de https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2019/11/11/internas_economia,805581/economia-segue-crescimento-gradual-aponta-boletim-focus.shtml

A economia brasileira continua em crescimento gradual, segundo aponta o boletim Focus, do Banco Central, divulgado nesta segunda-feira (11/11). O BC registrou alta de 0,92% maior que em setembro, que fechou em 0,87%. Para 2020, os analistas diminuíram as expectativas para 2,08%, há quatro semanas era de 2,1%.

Segundo o economista chefe da Parallaxis economia, Rafael Leão, a alta não representa nenhum risco. “É difícil dizer porque houve esse aumento, mas ainda assim não é grande coisa. Mesmo para 2020 basicamente não é uma alteração substancial diante de uma aceleração nem persistente nem consistente ou preocupante que vivemos agora”, avaliou.

O boletim ainda registrou alta no IPCA em 3,31%, um aumento de 0,3% comparado a setembro. Para 2020 a projeção feita ao longo deste ano ainda se manteve em 3,6%, abaixo do estipulado pelo BC de 4%.

Segundo Leão, o cenário é favorável para a redução dos juros do cheque especial, prevista para ser anunciada por alguns bancos nesta semana. Ele apontou que o cenário é ainda mais favorável que em 2012, onde os bancos públicos reduziram os juros para haver competição na ponta.

“Ainda que a situação econômica e desemprego estejam bastante ruins, nós temos a condição de cortar a taxa de juros. As reformas podem levar a uma taxa mais neutra e mais baixa que naquele período (em 2012), derrubar as taxas não afundaria a inflação”, afirmou Leão.

No começo do mês, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) registrou o aumento de 0,10% no IPCA de outubro. Na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Bacen ocorrida em outubro, o grupo atualizou as projeções mais recentes para a inflação e, considerando o cenário de mercado, a projeção para o IPCA em 2019 está em 3,4%, em 2020, em 3,6% e, em 2021, para 3,5%.

fonte: Correio Braziliense, escrita por Cristiane Noberto (com supervisão de Vinicius Nader)

Newsletter

Cadastre-se em nosso informativo e mantenha-se atualizado.

Associados