Indústria de materiais de construção projeta crescimento de 9% em 2021

Imagem de dewikinanthi por Pixabay

As vendas da indústria de materiais de construção caíram em outubro pelo segundo mês consecutivo, na comparação anual, mas mesmo assim, a expectativa da Abramat, associação que representa o setor, é de que o crescimento deste ano supere a projeção de 8% , chegando a 9%. As vendas de materiais acumulam expansão de 12,8% em dez meses e nos 12 meses encerrados em outubro alta de 13,3%. Para 2022, ainda não há estimativa, mas a percepção do presidente da Abramat, Rodrigo Navarro, é que o aumento nas vendas deve cair pela metade.

Em outubro, as vendas da indústria de materiais tiveram queda de 4,2% na comparação anual, mesmo patamar registrado em setembro. Essa redução era esperada, segundo Navarro, dada a elevada base de comparação nos meses anteriores e a queda do isolamento social que fez o mercado de entretenimento se recuperar e disputar o orçamento do consumidor. A inflação e o aumento das taxas de juros também contribuem para a queda nas vendas de materiais.

Na segunda-feira, o Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC) também divulgou os dados de outubro. As vendas do insumo caíram 9,5%, em relação ao mesmo período do ano anterior, para 5,4 milhões de toneladas. Segundo o SNIC, o segmento teve, em outubro, o pior resultado mensal deste ano. Por dia útil, houve redução de 4,2% nas vendas em relação a setembro, para 237,3 mil toneladas. Em relação a outubro de 2020, a retração foi de 5,8%. No acumulado de dez meses, as vendas de cimento cresceram 7,5%, para 54,6 milhões de toneladas. Em abril, a expansão acumulada foi de 20,8%. Desde então, houve desaceleração do crescimento, dada uma base de comparação mais elevada. As fortes chuvas também contribuíram para a piora no desempenho de outubro.

No início de 2020, a Abramat e a Fundação Getulio Vargas (FGV) esperavam crescimento de 4% nas vendas deflacionadas do setor. Veio então a pandemia Covid-19, e a retração nas vendas ocorreu de tal forma que a projeção era de queda de 7%. Mas o setor teve forte crescimento em meados do ano, e 2020 encerrou com ligeira queda de 0,3%. “No ano passado, a palavra de ordem foi a superação. Nesse aqui é recuperação ”, diz Navarro. Se o setor crescer 8% ou 9%, voltará ao patamar de 2012.

Segundo Navarro, o ano que vem vem com algumas incertezas, principalmente as grandes eleições, que podem afetar o desempenho da economia e da indústria de materiais de construção. Indicadores macroeconômicos, aprovação ou não das reformas e preços internacionais das commodities também estão entre os fatores que impactarão o desempenho do setor, bem como o marco regulatório do saneamento e a realização de obras de infraestrutura.

Apesar das incertezas, Navarro cita que a intenção de investimentos, no médio prazo, pelos empresários do setor ouvidos pela Abramat foi de 77%, em outubro, enquanto a utilização da capacidade instalada foi de 81%. Antes da pandemia, o nível de intenção de investimento era de 70% e a utilização da capacidade estava na faixa de 70% a 73%. Os recentes anúncios de expansão feitos por Lorenzetti e Vedacit são um exemplo da aposta na continuidade da demanda por materiais.

Os recentes anúncios de expansão feitos por Lorenzetti e Vedacit são um exemplo da aposta na continuidade da demanda por materiais. A Lorenzetti investirá R $ 200 milhões para dobrar sua capacidade de produção de louças sanitárias até 2024. A Vedacit, por outro lado, prevê investimentos de R $ 178 milhões para a transferência gradativa de sua produção da capital para Itatiba (SP) até 2024 , e a expansão de sua capacidade total de produção em 2,4 vezes.