Boas Festas!

Boas Festas!

Mineradoras precisam investir US$ 150 bi para estancar déficit de 8 mi de toneladas de cobre

O preço necessário para viabilizar novos projetos aumentou 30% nos últimos quatro anos devido a custos mais altos e retornos e atrasos necessários
Preço do cobre pode subir até 70% para atender demanda da energia limpa — Foto: Reprodução/Codelco

Os preços do cobre podem ter que subir até 70% para escoar oferta suficiente para atender à demanda pelo metal na transição para energia limpa, de acordo com analistas do Goldman Sachs.

Um estudo de 50 projetos que representarão a maior parte da nova oferta nos próximos cinco anos descobriu que o preço necessário para viabilizar novos projetos aumentou 30% nos últimos quatro anos devido a custos mais altos e retornos e atrasos necessários.

O preço médio de incentivo – o valor necessário para gerar um retorno de 15% – agora é de US$ 9.000 por tonelada, constataram os analistas, incluindo Jeffrey Currie. Contudo, o preço necessário para produzir cobre suficiente para atender a demanda futura é projetado em US$ 13.000, 70% acima dos US$ 7.633 do fechamento de sexta-feira na London Metal Exchange. Até 60% dos projetos não são viáveis a preços atuais, concluíram.

As mineradoras precisam gastar cerca de US$ 150 bilhões na próxima década para estancar um déficit de 8 milhões de toneladas, estimaram os analistas. Entretanto, com uma preferência por retornos aos acionistas, eles estão retendo os gastos de capital, com o Goldman projetando que o capex de crescimento dos próximos cinco anos será 40% menor do que 2010-21 em termos reais.

O relatório é o mais recente alerta para um aperto iminente nos pilares de construção da nova economia, com os principais componentes da bateria, como lítio e níquel, provavelmente em falta. Em julho, o S&P Global alertou para deficiências “insustentáveis” de cobre na próxima década, à medida que novas reservas se tornam mais inacessíveis e caras para desenvolver, as minas atuais enfrentam queda na qualidade do minério e aumentam as demandas ambientais e sociais.

As conclusões otimistas estão muito longe da desaceleração dos últimos meses, com o cobre perdendo quase 30% em relação ao pico de março em meio a temores de recessão.

De fato, novas minas de cobre estão entrando em operação ou crescendo este ano e continuarão em 2023. Mas, a partir de 2024, o setor começará a ver uma forte desaceleração no crescimento, de acordo com estudo do Goldman, sem grandes projetos em andamento no horizonte até 2027-2028 e a maioria deles não aprovados.

Metade dos projetos do estudo do Goldman tiveram início de produção atrasado em média três anos.