Vale retoma metas de produção de cobre e níquel; produção de minério de ferro atinge 89,4 milhões de toneladas no 3º tri, alta de 0,8% em base anual

Vendas de minério têm crescimento de 3,2% no 3º tri, a 67,8 milhões de toneladas; e produção de carvão cresce 78% no 3º tri, para 2,497 milhões de toneladas
Foto: Vinicius Morais

A Vale retomou nesta terça-feira (19) as metas de produção de níquel e cobre para este ano. A companhia havia suspendido as estimativas de produção de 2021 a 2023 no fim de julho.

Agora, a mineradora estima produzir entre 45 mil e 50 mil toneladas métricas de níquel no quarto trimestre, fechando o ano com produção entre 165 mil e 170 mil toneladas métricas.

No caso do cobre, a previsão é de produzir entre 75 mil e 80 mil toneladas métricas nos três últimos meses do ano, atingindo entre 295 mil e 300 mil toneladas métricas no acumulado de 2021.

Produção de minério de ferro atingiu 89,4 milhões de toneladas

A produção de minério de ferro da Vale no terceiro trimestre atingiu 89,4 milhões de toneladas, uma alta de 0,8% na comparação com igual período do ano anterior. Já a produção de pelotas caiu 2,6% na mesma comparação, fechando o terceiro trimestre deste ano em 8,34 milhões de toneladas.

No Relatório de Produção de Vendas do terceiro trimestre divulgado nesta terça-feira (19), a empresa ressaltou que a produção de pelotas ainda está restrita à disponibilidade de “pellet feed” em Itabira e Brucutu.

No caso do minério de ferro, a companhia frisou que continua comprometida com seu plano de retomada de capacidade, o que também está associado à eliminação de restrições e otimização de custos. Além disso, destacou que sua estratégia de produção e vendas é baseada nas condições de mercado, dando prioridade ao “value over volume”, com foco na maximização de margem.

Sendo assim, a mineradora afirmou que no quarto trimestre deve reduzir sua oferta de produtos de alta sílica e baixa margem em cerca de 4 Mt, uma vez que a demanda por esse tipo de produto tem sido mais fraca.

“Esse movimento não altera nosso guidance de produção para o ano, de 315-335 Mt, mas deve nos colocar abaixo do meio do intervalo”, disse a companhia no relatório, acrescentando que, se o cenário persistir, deve reduzir a oferta de produtos de baixa margem em 2022 em cerca de 12 milhões a 15 milhões de toneladas e também pode ajustar o nível de compra de minérios de terceiros.

Vendas de minério de ferro sobem 3,2% no 3º tri, a 67,8 milhões de toneladas

As vendas de minério de ferro da Vale subiram 3,2% na comparação do terceiro trimestre deste ano com igual período do ano passado, para 67,8 milhões de toneladas. Já as vendas de pelotas recuaram 5% na mesma comparação, para 8,037 milhões de toneladas.

A empresa destacou que a diferença de aproximadamente 13 milhões de toneladas entre a produção e a venda de minério de ferro e pelotas entre julho e setembro foi fruto da estratégia de “value over volume” da Vale – que reduziu as vendas de produtos de minério de ferro de alta sílica em setembro devido ao nível de preços de mercado – e aos estoques em trânsito ao longo da cadeia, que devem reverter no quarto trimestre, dependendo das condições de mercado.

O prêmio do minério de ferro foi de US$ 6,6 por tonelada, US$ 1,8 por tonelada inferior ao segundo trimestre, devido a menores prêmios pagos a minérios de baixo teor de alumina e a menor contribuição do negócio de pelotas. Esses fatores foram parcialmente compensados por maiores prêmios de teor de ferro, apesar do menor índice de referência, como resultado da menor venda de produtos de minério de ferro com alto teor de sílica, e maiores prêmios contratuais de pelotas.

Produção de níquel cai 21,8% no 3º tri, para 30,2 mil toneladas métricas

A produção de níquel da Vale caiu 21,8% no terceiro trimestre frente a igual período do ano passado, para 30,2 mil toneladas métricas. Já a produção de cobre recuou 21% na mesma comparação, para 69,2 mil toneladas métricas.

No relatório, a empresa destacou que a paralisação dos funcionários em Sudbury, no Canadá, interrompeu as operações por 70 dias, sendo 40 dias no terceiro trimestre, com um impacto de 11 mil toneladas métricas na produção de níquel acabado no trimestre. Além disso, Onça Puma passou por manutenção prolongada durante o terceiro trimestre, com a retomada da produção no fim de setembro.

A produção de cobre também foi afetada pela greve em Sudbury, que afetou a produção total de cobre em 16 mil toneladas métricas no trimestre, o que foi parcialmente compensado por um desempenho mais robusto em Sossego, uma vez que a disponibilidade da planta aumentou no trimestre após a conclusão da manutenção programada no segundo trimestre.

Vendas de níquel caem 16,7%, para 41,8 mil toneladas métricas no 3º tri

As vendas de níquel da Vale caíram 16,7% no terceiro trimestre, na comparação com igual período do ano passado, para 41,8 mil toneladas métricas. Já as vendas de cobre da companhia entre julho e setembro somaram 65,4 mil toneladas métricas, um recuo de 18,9% frente ao terceiro trimestre do ano passado.

De acordo com o relatório de produção da companhia para o terceiro tri, tanto as vendas de cobre quanto as de níquel foram impactadas pela paralisação dos funcionários de Sudbury, no Canadá.

Produção de carvão sobe 78% no 3º tri, para 2,497 milhões de toneladas

A produção de carvão da Vale subiu 78% no terceiro trimestre, na comparação com igual período do ano passado, atingindo 2,497 milhões de toneladas. Segundo a mineradora, a atividade está em crescimento em função do aumento de produtividade da planta remodelada.

A companhia ponderou que, devido à próxima estação chuvosa, a taxa de produção anual de 15 milhões de toneladas pode não ser atingida até o fim do ano, embora uma melhora seja esperada para o quarto trimestre. As vendas de carvão avançaram de forma ainda mais intensa no terceiro trimestre, atingindo 2,64 milhões de toneladas, um alta de 91,9% ante o terceiro trimestre de 2020.

De acordo com a Vale, as vendas de carvão cresceram fortemente após o melhor desempenho operacional e a maior demanda do mercado de carvão.