Rio Tinto estuda fazer processamento de minerais críticos nos EUA, diz CEO

A empresa está atualmente desenvolvendo maneiras de extrair os chamados minerais críticos de resíduos de cobre em sua instalação de mineração em Utah

A Rio Tinto PLC, uma das maiores mineradoras do mundo, quer iniciar o processamento mineral na América do Norte, considerado fundamental para a segurança nacional dos EUA. A empresa está atualmente desenvolvendo maneiras de extrair os chamados minerais críticos de resíduos de cobre em sua instalação de mineração em Utah, disse o CEO, Jakob Stausholm em uma entrevista por telefone.

Os minerais são usados em tudo, desde mísseis a turbinas eólicas, mas a China é o país que mais processa a maioria dos materiais vistos como estratégicos para a defesa nacional dos EUA.

Stausholm disse em conversas com a Casa Branca que a empresa compartilha uma “agenda comum” com o governo Biden de garantir a capacidade de manufatura doméstica. “Há muitos subprodutos provenientes da produção de cobre”, disse Stausholm.

“É uma área que teve muito pouco foco nos EUA, e, se colocarmos algum foco nisso, vejo algumas oportunidades.”

Os comentários de Stausholm ocorrem em meio a uma viagem pelos EUA que inclui visitas aos ativos de cobre em Utah e no Arizona. O executivo disse que conversou com tribos no Arizona sobre sua resolução sobre a mina de cobre, que atualmente está sendo impedida de ser construída em meio a um maior escrutínio de grupos indígenas.

Questionado sobre se ele fez algum progresso com as tribos nativas americanas, Stausholm disse que não estava se engajando em “acordos” com as tribos nativas americanas, ao invés disso se concentrando em conversas e diplomacia. Stausholm disse que a empresa ainda está avaliando os danos e tem um prazo para reiniciar as vendas.